Nesta semana o Observatório de Regionalismo traz uma entrevista com o Professor Paulo Gustavo Pellegrino Correa, Professor de Segurança Internacional e Política Externa Brasileira no curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Amapá com pesquisa direcionada às questões de segurança na região das Guianas, e, professor efetivo do Mestrado em Estudos de Fronteira (PPGEF) na Universidade Federal do Amapá.

Durante a entrevista o Professor Paulo Gustavo debateu questões sobre a integração regional na chamada “Amazônia caribenha”, apontando que: “Em termos do potencial da região, tendo em vista que a Guiana Francesa é um departamento da França, e portanto, Europeu, só nesta região já há um potencial muito grande para uma conexão com a união europeia […] O Brasil perde uma oportunidade de uma interação econômica mais forte porque são países com uma baixa produção industrial e o Brasil poderia ser um grande fornecedor, porém não o é. […] Ainda assim, apesar de não termos integração nessa região, temos uma interação sócio-cultural muito forte porque existe um percentual em toda essa região que são de brasileiros que conformam uma comunidade bastante presente nesses países.”

Não deixe de conferir!

Entrevista feita por: Bárbara Carvalho Neves

Bárbara Neves

Escrito por

Bárbara Neves

Doutoranda e Mestre pelo Programa de Pós Graduação em Relações Internacionais - San Tiago Dantas. Graduada em Relações Internacionais na Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho, Campus de Franca. Realizou intercambio acadêmico com bolsa Santander Universidades no Instituto Politécnico Nacional, México (2015).
Colaboradora do Laboratório de Novas Tecnologias de Pesquisa em Relações Internacionais (LANTRI), do Grupo Rede de Pesquisa em Política Externa e Regionalismo (REPRI) e do Grupo de Reflexión sobre Desarrollo y Integración en América Latina y Europa (GRIDALE).
Áreas de Interesse: Política Externa Brasileira, Regionalismo Sul-Americano, Instituições Regionais, Integração em Infraestrutura, IIRSA e COSIPLAN.